Combinando os alimentos certos para fazer papinhas

Tempo de leitura: 9 minutos

Para os bebês, sobretudo os menores, a hora da alimentação requer muita atenção das mães, principalmente na hora de montar o cardápio. Com a correria do dia, algumas acabam recorrendo a produtos prontos.

Embora práticos esses produtos podem fazer mal para os pequenos, pois possuem conservantes e outros aditivos químicos com grande potencial para causar alergias ou problemas intestinais.

Uma boa pedida na hora de alimentar os bebês é preparar a comida dos pequenos, escolhendo ingredientes naturais, de qualidade e que você conhece a procedência.

Mesmo que a própria mãe prepare as papinhas, é preciso prestar atenção aos alimentos utilizados no preparo!

Se você não se sente preparada para iniciar a introdução alimentar, clique aqui para conhecer o Manual das Papinhas, onde você encontra toda a informação necessária para passar por este processo de forma prática e 100% segura, utilizando 100 receitas de papinhas super saudáveis e equilibradas.

Alimentos construtores

Ricos em proteínas, os alimentos construtores são os responsáveis por auxiliar na construção de novos tecidos no organismo, principalmente a massa muscular e tem papel importante na cicatrização, seja de grandes ou de pequenas feridas.

Cruciais no auxílio do crescimento do corpo durante a infância, os alimentos construtores precisam ser consumidos diariamente, principalmente por bebês, pois garantem que o corpo funcione adequadamente.

Os alimentos construtores dividem-se entre as proteínas vegetais (ricos em fibras, vitaminas do complexo B, ferro, zinco e cálcio) e proteínas animais (contém todos os aminoácidos necessários para que o corpo dos bebês se desenvolva normalmente).

Funções

Além de ajudar no crescimento, os alimentos construtores auxiliam na construção das células do sangue e de todos os tecidos do corpo, permitindo assim o desenvolvimento saudável, física e mentalmente.

Inserir alimentos construtores na dieta dos bebês ajuda na formação óssea, no desenvolvimento de anticorpos, formação do tecido muscular, formação de hormônios, formação de tecido epitelial e o desenvolvimento adequado dos órgãos.

Alimentos reguladores

Os alimentos reguladores, como seu nome diz, ajudam a regular o funcionamento do organismo garantindo, por exemplo, que o intestino funcione bem e que as unhas ou os cabelos cresçam fortes e saudáveis por fornecer as quantidades ideais de minerais, fibras e água, além de vitaminas, como as vitaminas A, C, fósforo, ferro e cálcio.

A vitamina A é extremamente importante para os bebês, pois protege sua visão e sua pele, além de ajudar na formação do sistema de defesa do organismo. A vitamina C, além de aumentar a imunidade, ajuda no processo de cicatrização.

Entre os minerais contidos nos alimentos reguladores, o fósforo ajuda no processo de crescimento dos ossos, crucial para que o corpo dos bebês se desenvolva normalmente, com ossos como a moleira se calcificando no período correto.

O ferro ajuda o organismo a ter os níveis adequados de oxigênio, enquanto o cálcio é vital para o desenvolvimento dos ossos e nascimento dos dentes, além de ajudar na coagulação do sangue.

Funções

O consumo desse tipo de alimentos é fundamental para os bebês, principalmente os mais pequenos, pois esse grupo é o responsável por garantir o bom funcionamento dos olhos, o desenvolvimento adequado dos músculos e permitindo, ainda, que as vitaminas e minerais presentes nestes alimentos tornem possíveis o crescimento saudável das crianças menores.

A inserção na dieta de alimentos reguladores ajuda ainda a proteger os bebês de doenças como a anemia ou, ainda, de gripes e resfriados, enfermidades perigosas, sobretudo para as crianças menores, pois podem se converter em enfermidades graves, como a pneumonia.

Alimentos energéticos

Essenciais para dar energia ao corpo, os alimentos energéticos garantem que o corpo obtenha a quantidade ideal de carboidratos, proteínas e gorduras necessárias para funcionar adequadamente.

Funções

Os carboidratos e gorduras boas garantem que o corpo dos pequenos tenha combustível suficiente para se desenvolver.

Os carboidratos ajudam ainda a transportar as vitaminas, essenciais para o crescimento saudável dos bebês e protegem os órgãos vitais de eventuais lesões ou danos.

O que acontece quando faltam alguns destes alimentos na dieta dos bebês?

Para uma alimentação saudável e o bom desenvolvimento cognitivo e físicos dos bebês é preciso inserir alimentos dos três principais grupos alimentares (construtores, reguladores e energéticos) na dieta diária.

Apesar disso, alguns pais, seja por desconhecimento na montagem de um cardápio diário adequado, ou por pressa, acabam esquecendo-se de incluir alguns destes alimentos na dieta diária, e os efeitos desse esquecimento podem aparecer no crescimento dos pequenos.

Para facilitar a vida dos pais, nós criamos o Manual das Papinhas, com toda a informação necessária para fazer uma introdução alimentar segura e nutritiva.

Deficiência de alimentos construtores

No caso dos alimentos construtores, fundamentais para que o corpo, e todas as estruturas vitais sejam construídas de fato, a ausência de alimentos deste grupo na dieta diária pode causar problemas graves de desenvolvimento.

Um bom exemplo é o papel destes alimentos na formação óssea e dos músculos. Ao não incluir os construtores no cardápio diário, os ossos simplesmente podem não se formam adequadamente, impactando o desenvolvimento das crianças, que podem apresentar tamanho menor do que outras com a mesma idade.

A ausência de alimentos construtores prejudica também o desenvolvimento dos músculos atrapalhando, por exemplo, os primeiros passos do bebê e, ainda, o engatinhar, além de dificultar movimentos como o sentar.

Além disso, ao não incluir proteínas na alimentação diária, os pequenos tornam-se mais suscetíveis a contrair doenças, já que o corpo não consegue produzir as células necessárias para fortalecer seu sistema imunológico.

A deficiência no consumo de alimentos construtores prejudica ainda a cicatrização, aumentando o risco de infecções, que podem colocar a saúde dos bebês em risco, já que suas células de defesa não aprenderam a se defender de ameaças externas causadas por germes e bactérias.

Deficiência de alimentos reguladores

Quando deixamos de incluir frutas e verduras no cardápio diário, boas fontes de alimentos reguladores, os riscos podem prejudicar a saúde e o desenvolvimento mental dos bebês.

A carência nutricional provoca, por exemplo, anemia, reflexo da carência de ferro no organismo.

Outro impacto grave que a falta de alimentos reguladores na dieta pode causar é a dificuldade de memorização, o que atrapalha o aprendizado e a evolução das crianças.

Memorizar é fundamental para que a criança possa se desenvolver de forma saudável, já que é observando tudo o que acontece ao seu redor que os bebês aprendem a falar, a andar, a interagir com seus pais e outras crianças da mesma idade.

O enfraquecimento das unhas e cabelos é outro claro sinal de que os alimentos reguladores estão fazendo falta na dieta, e isso deve ser interpretado como um sinal de alerta, assim como a gengivite.

Embora os muito pequenos ainda não tenham desenvolvido os primeiros dentinhos, os pais precisam ficar atentos a quaisquer problemas bucais nessa idade, já que podem comprometer o nascimento dos dentes de leite.

Retirar alimentos reguladores da dieta podem causar, ainda, raquitismo. O raquitismo é outro indício preocupante, pois prejudica o desenvolvimento dos bebês, deixando-os com uma aparência frágil.

Deficiência de alimentos energéticos

Com a função primordial de fornecer o combustível necessário para que o corpo funcione adequadamente, bebês que não consomem alimentos energéticos em quantidades adequadas podem, simplesmente, não ter forças para funcionar adequadamente.

Um sinal muito claro é o desânimo. Os bebês costumam ficar mais apáticos, sem ânimo para brincar ou interagir com outras crianças. Mas esse não é o grande risco que a deficiência de alimentos energéticos pode causar.

Se você não tem tempo pra ficar pesquisando, e não quer correr o risco de comprometer a saúde do seu bebê, clique aqui para conhecer o Manual das Papinhas e acesse toda essa informação organizada.

Responsáveis por ajudar no transporte de vitaminas, quando não consomem alimentos energéticos em quantidades adequadas seus corpos simplesmente tem problemas de desenvolvimento.

É comum vermos crianças que aparentam ter idade muito inferior ao que realmente apresentam, por conta de uma alimentação deficiente.

Outro risco da ausência de alimentos energéticos é a exposição dos órgãos vitais a lesões que podem colocar a vida dos bebês em risco, já que esse grupo protege-os de impactos que poderiam causar problemas.

Como montar um cardápio adequado para os bebês?

Excluir grupos alimentares da dieta dos bebês pode colocar o desenvolvimento das crianças em risco, mas incluir comida demais também é prejudicial.

Por isso, no momento de escolher os alimentos para preparar a papinha dos bebês, é importante que os pais dosem alimentos dos três principais grupos, inserindo cada um deles na dieta diária.

Esse cuidado garante que as crianças tenham acesso a todas as vitaminas, minerais e aminoácidos necessários para um crescimento saudável. Além disso, é importante que os pais fiquem atentos à quantidade de comida dada aos pequenos.

As porções devem ser sempre pequenas, ofertadas regularmente, para garantir que os bebês estejam saciados, mas sem excessos.

Agora que você já tem um pouco da informação necessária para fazer as melhores papinhas para seu bebê, precisa continuar aprendendo para não colocar a saúde de seu bebê em risco! A introdução alimentar é uma das fases mais importantes na vida de seu bebê!

Aproveite para conhecer o Manual das Papinhas, onde você vai aprender 100 receitas de papinhas super saudáveis e equilibradas.

O_Manual_das_Papinhas_3ª_edicao

Acesse o Manual das Papinhas e garanta a saúde do seu bebê.

 

2 Comentários

  1. Rejane

    Onde eu moro não encontro mandioquinha, substituo por qual alimento?

    Responder

    1. Oi Rejane, tudo bem? A mandioquinha pode ter outro nome onde você mora, como por exemplo: Batata-baroa, batata-salsa, cenourinha-amarela ou cenourinha-branca. Se não encontrar mesmo assim pode substituir por mandioca ou batata.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *