Os doze passos para a alimentação saudável de um bebê

Tempo de leitura: 6 minutos

Por volta dos quatro meses de vida do bebê, muitas mães já começam a se preparar para um dos momentos mais especias da maternidade:

A introdução da alimentação complementar.

A alimentação de um bebê requer muito mais energia e disposição do que qualquer outro momento de seu desenvolvimento.

Pra muitas mamães, este pode ser um período muito prazeroso e divertido.

Mas para outras, especialmente as que não gostam de cozinhar, ou até mesmo aquelas que se atrapalham toda na cozinha, pode ser um momento de grande conflito.

A coisa mais importante que temos que ter em mente é:

“Uma alimentação com hábitos saudáveis desde a primeira infância, refletirá no comportamento alimentar de seu filho para toda a vida.”

Existem alguns pontos importantes que iremos destacar neste artigo, acompanhe a seguir o que não poderá faltar para que esta seja uma experiência de grande sucesso nesta fase tão importante:

Os doze passos para a alimentação saudável de um bebê são:

1 – ­Amamentar

Oferecer o leite materno exclusivamente até os seis meses de idade, sem acrescentar água ou chás.

2­ – Evitar recipientes tóxicos

Escolher com bastante cuidado, utensílios como pratinhos de papinhas, colheres, potes para armazenar as papinhas e panelas para o preparo das papinhas, considerando que existem várias marcas e modelos disponíveis, que são fabricados com materiais tóxicos.

No link abaixo você pode assistir um vídeo onde ensinamos como identificar os recipientes de plástico que são tóxicos:

3­ – Fazer a higiene dos recipientes

Esterilize cada utensílio ao utilizá-­los pela primeira vez. Para esterilizar, mergulhe­-os em água fervente por até cinco minutos.

4­ – Não oferecer suquinhos para Bebês

Não ofereça sucos para seu bebê, nem mesmo os naturais. Eles elevam o índice glicêmico e podem trazer problemas sérios.

5 – Iniciar com as papinhas de frutas

A partir dos seis meses, com autorização do pediatra, ofereça primeiramente frutas picadas, amassadas ou raladas.

As frutas são mais fáceis de serem aceitas, e são responsáveis por iniciar o processo de adaptação do paladar do bebê.

6 ­- Fazer as papinhas coretamente

Após duas semanas ofereça de forma lenta e gradual, papinhas salgadas que possuam alimentos energéticos, reguladores e construtores, e mantenha preferencialmente o leite materno até os dois anos de idade ou mais.

7­ – Não oferecer papinhas industrializadas

Algumas papinhas prontas para o consumo, afirmam em seus rótulos, não conterem conservantes, porém, uma pesquisa realizada pelo departamento de nutrição da Faculdade Federal de Pernambuco (UFPE), descobriu um composto chamado ácido benzoico em produtos cujos rótulos afirmavam não conter conservantes, inclusive foi também encontrado nas papinhas para bebês.

Este conservante, além de ser considerado um composto de grande potencial alergênico, quando entra em contato com alguma vitamina C, presente em determinados alimentos, produz uma substância altamente cancerígena para o organismo humano.

8­ – Utilizar os temperos certos

Na hora de preparar as papinhas, utilize somente temperos naturais e evite o sal.

Se você for daquelas pessoas rodeadas de palpites de avós e tias, existe a opção do sal integral, em todo caso, na introdução alimentar, o ideal é não utilizar sal.

9­ –  Utilzar um óleo saudável

Nunca utilize óleo vegetal refinado, como soja, canola, girassol, milho e outros. Todos eles são péssimos para saúde, principalmente o Canola.

Existem opções de óleos realmente saudáveis e indicados para o preparo das papinhas, o óleo de coco é um deles.

10 -­ Atentar para consistência das papinhas

Evite sempre que possível, o uso dos liquidificadores para o resultado final das papinhas. Procure amassar todos os ingredientes com o garfo.

Este processo é importante para o desenvolvimento da mastigação e dentição dos bebês.

11 -­ Nunca ofereça Junk Food

Nunca, jamais e em hipótese alguma, ofereça açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida.

12 – Congele da forma correta

Se for congelar as papinhas, realize o processo de branqueamento (choque térmico), dos alimentos.

Este processo garante a conservação das propriedades nutricionais de cada alimento, e utilize etiquetas informando os ingredientes que foram utilizados, e a data do congelamento.

Escrevemos um E-book onde apresentamos todos os detalhes que são necessários para garantir uma perfeita introdução alimentar. Clique aqui para conhecer

Obesidade infantil

Você sabia que dados divulgados pelo IBGE, juntamente com o ministério da saúde apontam que uma em cada três crianças de cinco a nove anos está acima do peso, no Brasil?

Esses resultados são quase quatro vezes maiores comparado com pesquisas anteriores entre 1974 e 2015.

Diabetes, depressão, hipertensão, e problemas respiratórios, são doenças bastante comuns na infância, e estão diretamente ligadas com a obesidade infantil.

Não deixe que seu filho faça parte desta estatística nos próximos anos.

Exemplo: a unica forma de ensino

Aproveite este momento, e invista em uma mudança de hábitos alimentares para todos da casa.

Se você estiver estreando na maternidade, encare isto como uma oportunidade.

É muito difícil exigir de uma criança bons hábitos alimentares, quando ela vê seus pais se alimentando mal e passa boa parte da vida se alimentando igual.

Até mesmo os adultos, quando se conscientizam sobre todo o estrago que uma má alimentação pode fazer, encontram dificuldades em melhorar seus hábitos.

Embora pareça ser mais fácil para um adulto, exige grande determinação e força de vontade também.

Abrir exceções

Eu posso citar aqui um excelente exemplo que presenciei.

Fomos convidados para festinha de aniversário de primeiro ano de um bebê.

Esse bebê já se alimenta de uma maneira muito saudável todos os dias.

No dia da festinha não poderia ser diferente, ou poderia?

Bom, a verdade é que, enquanto todos os convidados aguardavam ansiosamente para devorar as guloseimas da festa, lá estava ele com sua jantinha cheirosa, caseira e sem sal.

Infelizmente, uma raridade em uma época cercada de ofertas industrializadas.

Alguém poderia dizer: só uma exceção, de vez em quando, não faria mal algum!

Sim, com certeza não faria, mas o ponto é o seguinte:

Melhor do que encontrarmos ótimas desculpas para abrirmos exceções, é encontrarmos as exceções que, em dias tão corridos, conseguem abrir mão das desculpas.

Conheça o Manual das Papinhas e aprenda como fazer papinhas deliciosas, com 100 receitas super nutritivas e muitas dicas incríveis, que irão garantir uma alimentação super saudável para seu bebê.

O_Manual_das_Papinhas_3ª_edicao

Acesse o Manual das Papinhas e garanta a saúde do seu bebê.

12 Comentários

  1. Ana carolina

    Oiiii… Meu bebê tem seis meses e até agora ele não comeu papa salgada isso é normal? Ele prefere o peito do que comer suas papinhas, frutas não são todas que ele come, prefere mais o mamão, maçã e banana, gostaria de saber se tem algo pra que eu possa fazer pra incentivar ele a comer? Obrigada.

    Responder
  2. Ana Maria

    Olá Andréa!Estou adorando o Manual, recebi hoje pela manhã e já estou aqui tentando saboreá-lo. Enquanto lia a sugestão de compras e cardápios semanais vi que no modo de preparo você sugere a panela de pressão. É tranquilo o uso nesses casos? Parabéns!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *