Sono do bebê: O que fazer quando há um irmão mais velho em casa?

Tempo de leitura: 8 minutos

Para um casal sem filhos, a chegada de um recém-nascido traz profundas mudanças em sua rotina, principalmente a do sono.

As horas de descanso se tornam contadas, sobretudo nos três primeiros meses, quando os recém-nascidos acordam em vários períodos na madrugada.

Agora, quando há um filho mais velho em casa, essa adaptação pode ser ainda mais trabalhosa, afinal os pais precisarão atender às necessidades do bebê, sem deixar de lado a outra criança, garantindo que os dois tenham a atenção necessária.

Além das disputas naturais de atenção (os filhos mais velhos costumam sentir ciúmes do mais novo, por acreditar que este “rouba” o carinho que seus pais sentiam exclusivamente por ele), um desafio a mais pode surgir nesse cenário:

Como criar uma rotina de sono para o bebê e garantir que os dois, tanto o mais velho quanto o caçula, durmam a noite toda?

Insista no treinamento de sono

Para ter certeza que os seguidos choros do bebê não acordarão seu filho mais velho, é importante que os pais mantenham a rotina de treinamento de sono do bebê, se possível desde o seu nascimento, assim ele se acostumará a dormir sozinho, mesmo quando acordar durante a noite, e não despertará a casa toda com seu choro.

Entre as técnicas de treinamento de sono que existem, uma das que traz melhores resultados quando se tem um irmão mais velho em casa é a do ruído branco.

O ruído branco é um som muito discreto, de baixa intensidade e que serve para acalmar o bebê, dando a ele a sensação de que está de volta ao conforto do útero.

A barriga da mãe, ao contrário do que se possa imaginar, não é um ambiente assim tão tranquilo e silencioso.

Lá dentro, graças ao líquido amniótico que capta todos os sons e vibrações do ambiente, o bebê escuta o mundo do lado de fora.

Ele ouve, por exemplo, a voz da mãe ou das pessoas com quem ela estiver conversando, uma música que esteja escutando, ruídos de buzinas ou de animais.

Para que você tenha uma ideia, os sons captados pelo bebê no útero equivalem ao barulho feito por um aspirador de pó.

Por isso, quando nasce e, na hora de dormir, é colocado em um quarto completamente silencioso, sem os ruídos a que estava acostumado, o bebê se sente desprotegido, e chama pela única pessoa que ele conhece que pode lhe trazer a segurança perdida: sua mãe. ]

E, como não pode falar, ele utiliza a forma de comunicação que conhece: o choro.

Ruído branco: O aliado das mães com filhos mais velhos

Segundo especialistas, a técnica do ruído branco pode ser utilizada desde muito cedo. Preparar o ambiente para aplicar esse método é muito simples.

Você pode, por exemplo, comprar uma luminária com canções de ninar, ou baixar aplicativos em seu celular que tenham opções de trilhas que funcionem como ruído branco.

O dispositivo pode ser ligado durante um determinado período, deixando o quarto em profundo silêncio horas depois, assim a criança entenderá que o silêncio da noite não é algo ameaçador, e sim que significa a chegada da hora de dormir.

O mesmo acontece se você optar por cantar para que o bebê durma, ou mesmo faça alguns sons, para que ele entenda que você está ali. Você não precisa seguir falando ou cantando por horas. Faça isso por um tempo e permaneça em silêncio.

Além disso, é importante que as mães criem o ambiente perfeito para que o bebê entenda que o ato de dormir acontece principalmente durante a noite. Desta forma, evite escurecer os ambientes durante o dia.

Para os recém-nascidos, que estão desenvolvendo a rotina do sono, é fácil trocar o dia pela noite. Então, se eles tiverem contato com a luz solar nos momentos certos, e a quietude de um lar tranquilo durante a noite, esse aprendizado por associação se torna ainda mais fácil.

O uso da chupeta é algo controverso, pois muitos estudos já mostraram que seu uso prolongado prejudica a dentição e o desenvolvimento da fala.

Mas, quando usada por pouco tempo, apenas para acalmar o bebê e evitar que ele acorde o filho mais velho, o uso da chupeta é aceito.

Para evitar problemas, a recomendação é que o hábito de chupar a chupeta seja retirado aos poucos, se possível antes mesmo do nascimento dos primeiros dentes.

O que faço se, mesmo assim, o bebê chorar durante a noite?

Algumas crianças podem se mostrar mais resistentes ao treinamento, não respondendo a muitos métodos, entre eles o ruído branco, mas isso não significa que os pais devam desistir das técnicas e atender aos chamados das crianças por atenção.

Nesses casos, embora pareça até um pouco cruel, os especialistas indicam que os pais devem deixar com que a criança chore e sejam persistentes no treinamento.

Em geral, esse choro dura pouco, sendo apenas um resmungo ou um grito um pouco mais alto, e funciona como uma tentativa desesperada de chamar a sua atenção.

Sente seu coração apertado de ver seu filho chorar sozinho? Calma, não se desespere. Embora pareça muito sentido, esse choro é importante, porque é nesses momentos em que o bebê aprenderá que pode, sim, dormir sozinho.

Mas, e se nada funcionar e ele continuar chorando? Bom, nesse momento, os especialistas desaconselham que os pais, principalmente as mães, “ninem” os filhos até que eles durmam ou usem o seio como forma de acalmá-los.

Embora funcione no começo, essas técnicas podem reforçar o costume do bebê em acordar durante a noite, e o que poderia ser resolvido em poucos meses tenderá a se arrastar até os dois ou três anos.

Isso significa que não devo me levantar quando o bebê chorar?

Também não. Nem todos os choros do bebê significam medo ou insegurança. Cada choro tem sua própria interpretação e significado.

Alguns representam sono ou dor, por exemplo. Por isso, é importante que, sempre que ouvir o bebê chorar, você vá até o berço para identificar do que ele realmente precisa.

Se for uma cólica, por exemplo, faça compressas e massagens na região da barriga, para diminuir o desconforto e garantir que ele consiga dormir bem.

Caso o choro seja de fome, já sabe o que fazer: amamente-o, e depois o coloque de volta no berço, para que durma sozinho. Não permita que ele durma em seu seio, para que não associe as duas coisas.

Agora, se o choro for apenas uma forma de chamar a sua atenção, é hora de insistir nos treinamentos, para que a criança entenda que a noite foi feita para dormir, e que você está ali, a seu lado, mesmo que não esteja com ele em seus braços o tempo todo.

Como sei o que cada choro significa?

Diferenciar o choro de um bebê e compreender cada um de seus significados é uma quase uma ciência.

Algo tão complicado que muitas mulheres, mesmo depois do segundo ou terceiro filhos, ainda tem dificuldades em diferenciar.

Afinal, como saber se o choro é sinal de fome, dor, ou simplesmente para chamar a minha atenção? No caso do choro de tédio, a mãe pode perceber certa manhã, que é interrompida assim que o bebê recebe a atenção que tanto deseja.

Já quando é a fome que o faz chorar, alguns sinais podem ser vistos antes do barulho começar. Os bebês costumam colocar as mãos na boca, fazendo um movimento de sucção com os dedos. Isso é um indício que é hora de mamar.

Agora, se o problema for uma dor, a criança pode indicar, com as mãos, qual a região do corpo que lhe incomoda.

Entender a linguagem dos bebês pode parecer complexo, e utilizar esses códigos para criar uma rotina em que todos durmam e descansem o tempo necessário pode parecer complicado, principalmente quando existe um filho mais velho.

Mas, com paciência e muita dedicação, os pais podem conseguir treinar o recém-nascido. Nesses casos, a experiência pode não ser tão traumática, pois a experiência com o primeiro filho pode ajudar muito no cuidado com o mais novo.

Embora aqui é importante respeitar as diferenças entre os dois filhos. Mesmo quando ainda bebês, cada pessoa tem sua própria personalidade, que pode se manifestar desde cedo, em certa teimosia ou resistência em entender quando é hora de dormir ou de ficar acordado.

Alimentação do bebê

Um outro ponto que pode influenciar bastante a qualidade do sono dos bebês é a alimentação.

Se o seu bebê está na fase de introdução alimentar, é importante tomar cuidado com certos tipos de alimentos que podem deixar o bebê mais agitado, principalmente alimentos processados com alto índice glicêmico e cafeína.

Como esta é uma fase muito cheia de dúvidas e inseguranças, nós recomendamos que você conheça o Manual das Papinhas, onde, além de ter acesso a 100 receitas práticas e nutritivas, você vai aprender todos os detalhes para garantir uma introdução alimentar super segura e nutritiva.

O_Manual_das_Papinhas_3ª_edicao

Acesse o Manual das Papinhas e garanta a saúde do seu bebê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.