Devo utilizar sal e óleo nas papinhas?

Hoje, vou falar sobre uma verdade (preocupante) que você, provavelmente não sabe, sobre o sal comum e o óleo de cozinha.

Após a leitura deste artigo, você com certeza estará muito mais consciente e preparada para fazer as melhores escolhas para seu bebê.

O sal

O sal é a única rocha comestível existente, o seu uso varia desde tempero até conservante.

Existem diversos tipos de sal, porém os mais usados são:

O sal refinado (de cozinha), sal grosso, sal marinho e o sal rosa do Himalaia.

A diferença entre eles é o processamento, e as adições químicas, técnicas indispensáveis para que eles cheguem à sua mesa com um aspecto aceitável. E esse, é sem dúvida alguma, o grande perigo existente nestes alimentos.

O sal de cozinha (refinado)

É o tipo de sal mais comum, nas cozinhas. Contém altas quantidades de sódio e não apresenta outros minerais que podem ser úteis ao nosso organismo.

Já foi comprovado cientificamente que o sal desregula a circulação sanguínea. Quando ingerido, ele exige mais água no corpo, já que boa parte dela foi absorvida pelo cloreto de sódio, essa é uma das causas da hipertensão.

Além disso, diversas pesquisas e estudos constataram muitas químicas inúteis no sal de cozinha, afim de deixá-lo branco, refinado e aparentemente “limpo”, causando mais danos do que benefícios ao nosso corpo.

O sal grosso

O sal grosso tem praticamente a mesma composição do sal de cozinha. O que o torna pouco mais saudável, é o fato de não passar pelo exato processo de refinamento e industrialização do sal de cozinha, descartando assim o uso de muitos aditivos usados no sal refinado.

Uma dica muito legal, é usar o sal grosso moído em liquidificadores, ou até mesmo moê-lo utilizando moedores próprios para sal.

O sal marinho

Este sal é obtido através da evaporação da água do mar. Na maioria das vezes possui cristais maiores do que o sal de cozinha. Este sal não passa por nenhum processo de refinação, mantendo muitos dos minerais benéficos que o sal possui em sua composição.

O sal rosa do Himalaia

Esse sal vem mesmo da Ásia e é extraído dos pés das montanhas do Himalaia. A concentração de minerais neste sal é algo impressionante: ele possui cerca de 88 minerais que são essenciais para o nosso organismo, por isso sua cor é tão concentrada.

O sal do Himalaia costuma ser o tipo de sal mais caro no mercado, mas comparado aos benefícios que trás ao organismo, fica evidente que é a melhor escolha.

Bom, o mais aconselhável é que você não utilize sal nenhum no preparo das papinhas, mas caso você tenha dificuldade para servi-las assim, a nossa indicação é que você utilize uma pitadinha bem pequena do sal rosa do Himalaia, e claro, converse com seu pediatra antes.

Os óleos

Assim como o sal, existem diversos tipos de óleo, entre os mais usados estão:

Soja, Canola, Girassol, Milho e Gergelim. Os mais saudáveis são os Azeites, e o maravilhoso óleo de Coco.

O que acontece com aqueles mais usados, é que para extrair óleo de sementes tão secas, é necessário que elas passem por processos de extração que utilizam solventes, muito calor e pressão, processos estes que acabariam com qualquer propriedade benéfica de qualquer alimento.

Estes processos fazem com que o óleo saia com uma cor escura e nada atrativa, o que o obriga a passar por incontáveis processos químicos, resultando então no óleo claro e com aparência límpida.

O resultado final, é que para que eles permaneçam mais tempo conservados nas prateleiras dos mercados, é necessário que possua gordura trans.

Quando este óleo é aquecido nas panelas, na hora por exemplo de preparar uma deliciosa papinha para seu bebê, esse trans aumenta ainda mais, tornando esse produto extremamente maléfico para o organismo.

O óleo de coco

Este óleo possui propriedades imunológicas, extremamente benéficas para os bebês!

Quanto mais tropical é uma fonte de gordura, mais gorduras saturadas (que são gorduras boas) ela possui.

O coco e o abacate são bons exemplos: A gordura saturada presente nestas duas frutas, permite que elas não estraguem facilmente no calor.

Está é uma das muitas razões do óleo de coco ser tão bom para cozinhar, diferente dos óleos de cozinha.

O óleo de coco era muito usado no Brasil antes das gorduras ficarem com má fama, a verdade é que ainda existe muito preconceito com gorduras, sendo que as gorduras saturadas estão entre os nutrientes essências para o corpo.

Outra razão para usar o óleo de coco é que boa parte da gordura do coco possui ácidos graxos de cadeia média.

Estes ácidos são transformados facilmente pelo corpo em energia sem precisar envolver o fígado.

É utilizada de maneira direta como combustível para músculos e órgãos ao invés de ser estocado como gordura.

Além de tudo isso, o óleo de coco traz consigo as propriedades imunológicas, extremamente benéficas para os bebês!

Na gordura do coco, metade dos ácidos são láuricos, e para se ter uma ideia, esse tipo de ácido é também encontrado no leite materno!

O Ácido Láurico é transformado pelo nosso corpo em monolaurina, utilizada para destruir vírus e bactérias.

De quebra, o óleo de Coco tem uma ação antioxidante e ajuda a regular o intestino do bebê.

Recomendamos que utilize este óleo na hora de refogar o tempero das papinhas.

O azeite extra virgem

É ideal ressaltar a importância de usar somente o azeite extra virgem, diferente dos outros tipos de azeite, ele não passa por nenhum refinamento bruto, ou seja, ele não sofre com altas temperaturas e nenhum ácido é usado, deixando o azeite com um gosto melhor para as papinhas e alcançando acidez de no máximo 0,8, enquanto os demais tipos apresentam índices de acides de 2,0 para cima.

O azeite extra virgem é benéfico para o coração, aumenta o colesterol bom, diminuindo consequentemente o colesterol ruim, contendo também propriedades anti-inflamatórias, além de possuir outras propriedades que auxiliam no crescimento saudável dos músculos e da pele do bebê.

O bebê que faz ingestão de papinhas elaboradas tanto com azeite extra virgem, quanto com óleo de coco ou ambos, terá sim benefícios notáveis na saúde.

Estes dois alimentos são complementos ricos em propriedades nutritivas e ainda por cima deixam as papinhas mais saborosas.

Mas saiba, ao contrário do óleo de coco, esse azeite nunca deve ser aquecido ao ponto de fervura.

Utilize um fiozinho nas papinhas depois de prontas, ou na hora de servi-las. Quando comprar, dê preferência para os que possuem embalagens de vidro, e mesmo assim esse vidro deve ser bem escuro.

Vidros claros, onde o azeite fica em maior contato com a luz, pode fazê-lo perder suas propriedades nutricionais. Compre sempre o Extra Virgem com acidez menor que 0,5%.

Conheça o Manual das Papinhas e aprenda como fazer papinhas deliciosas, com 100 receitas e dicas incríveis, que irão garantir uma alimentação super saudável para seu bebê.

O_Manual_das_Papinhas_3ª_edicao

Acesse o Manual das Papinhas e garanta a saúde do seu bebê.

4 Comentários

  1. Samia Santos

    Ola Andréa, uma dúvida, e o iodo, sei que é essencial para o desenvolvimento da inteligência dos bebes, em paises do exterior, como a Nova Zelandia, as gestantes tomam comprimidos de iodo durante a gestação. Como conseguir oferecer iodo para o bebe sem o sal?

    Responder

    1. Existem vários alimentos que contém Iodo Samia. Se você pesquisar vai encontrar uma série deles. Só confirme antes com seu pediatra quais destes alimentos seu bebê já pode ingerir.

      Responder
  2. Maisa

    Que maravilha. Como eu criei os outros filhos comendo errado coitadinhos, muito obrigada, dicas muito importantes,??? Obg mesmo estou muito feliz.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.